Bolo Barra Branca de Pernambuco

Fotos e texto por Eduardo Gazal

O Bolo Barra Branca se enquadra na categoria dos bolos populares, produzido principalmente em uma região geográfica denominada Agreste Central de Pernambuco.

Encontramos a iguaria em mercados públicos, lanchonetes das estradas do interior do Estado e, principalmente, nas fábricas de bolo da cidade de Bezerros, situada na rodovia BR-232, distante 100 Km da capital, Recife. O município de Bezerros, desde 2013, ostenta o Título de Capital dos Bolos e Doces de Pernambuco, através da Lei Estadual Nº 15125. É o bolo dos viajantes e turistas de várias regiões do Brasil que atravessam o Estado de Pernambuco. Também é encontrado nas merendas dos nordestinos, pois tem custo relativamente baixo em comparação a outros bolos da região.

O Barra Branca é bastante conhecido, mas devido a suas textura e aroma, apresenta-se como um bolo rústico. Sua composição é extremamente simples, tendo a massa de mandioca como principal ingrediente, adicionada com açúcar, ovos, gordura hidrogenada, leite, fermento em pó químico e sal.

Não rivaliza em fama com o Bolo de Rolo, o Souza Leão e o Bolo de Casamento de Pernambuco. Mas sua importância para a culinária pernambucana está sendo notada. Existe um Projeto de Resolução (1344/2020) que tramita na Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco (Alepe) solicitando a indicação do Bolo Barra Branca para obtenção do Registro do Patrimônio Cultural Imaterial de Pernambuco. Esta Resolução entrou em vigor na data de sua publicação (18/9/2020) e atualmente encontra-se em avaliação da Secretaria de Cultura de Pernambuco, através da Fundarpe.

SAIBA MAIS

Conheça o “Projeto de Resolução 1344/2020” e um pouco da história do Bolo Barra Branca:
Fica submetida a indicação do Bolo Barra Branca para obtenção da Concessão do Registro do Patrimônio Cultural Imaterial de Pernambuco, nos termos da Lei nº 16.426, de 27 de setembro de 2018.

Bolo Barra Branca de Pernambuco - Museu do Açúcar e Doce
Foto Eduardo Gazal

Justificativa

Em meados dos anos 1940, em meio e por conta da Segunda Guerra Mundial, houve escassez de produtos, e faltou farinha de trigo no interior do Estado. Em meio às dificuldades, Seu Nascimento, produtor e vendedor de bolos, que levava iguarias para vender no Mercado de São José, no Recife, teria sido o criador do Bolo Barra Branca.

Sem o ingrediente, o comerciante teria substituído a farinha de trigo pela massa de mandioca, obtendo um bolo bifásico: amarelo por fora, com uma barra branca por dentro. O doce fez sucesso.

Outro segredo da receita é o choque térmico provocado pelo forno preaquecido. A parte esbranquiçada e massuda somente ocorre em alta temperatura (acima de trezentos e sessenta graus Célsius), e, por isso, a receita não pode ser reproduzida em fornos domésticos convencionais. O aspecto bifásico se verifica porque o bolo cozinha por fora rapidamente, mas sua massa permanece menos cozida por dentro.

A produção do tradicional bolo pernambucano atravessa gerações e movimenta a economia.
Tendo em vista, assim, sua importância para o povo pernambucano, solicito apoio dos nobres pares para a aprovação do presente Projeto de Resolução.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Situação do Trâmite: PUBLICADO
Localização: SECRETARIA GERAL DA MESA DIRETORA (SEGMD)

TRAMITAÇÃO
1ª Publicação: 07/08/2020 D.P.L.: 11

DOCUMENTOS RELACIONADOS
TIPO NÚMERO AUTOR
Parecer FAVORAVEL 3865/2020 Joaquim Lira
Parecer FAVORAVEL 4019/2020 William Brigido

*